A Verdadeira História do Natal

– Já são quase meia noite! Já são quase meia noite!

James estava parado em frente ao grande relógio da sua sala torcendo para chegar a meia noite. Finalmente poderia ver o Papai Noel entregar os seus presentes.

– Filho! Está na hora de ir dormir!

– Eu não quero dormir mãe! Este ano eu quero esperar os meus presentes!

– Você sabe que crianças desobedientes não ganham presentes, né? Vai dormir agora James!

Ele sobe as escadas revoltado com a atitude da mãe, deita-se em sua cama e finge que está dormindo. Quando a casa finalmente fica toda silenciosa James pega sua lanterna, desce as escadas e fica escondido atrás da árvore de natal. Perto da chaminé, ao lado do grande relógio na sala.

Assim que bateram as badalas da meia noite ele escutou um barulho vindo da chaminé. Parecia alguma coisa se mexendo, como se fosse um ratinho correndo, mas ele olhou para dentro da chaminé e havia um duende vestido com umas roupas vermelhas. Quando saiu da chaminé a criatura se transformou no papai Noel;

– SANTO PIRULITINHO! O PAPAI NOEL EXISTE MESMO!

James não conseguiu conter sua empolgação e saiu de detrás da árvore. Foi correndo abraçar o papai Noel:

– Você existe, você existe! E é igual nas histórias, velhinho, gordinho e fofinho! E ainda trouxe os meus presentes, já posso abrir?

– Ainda não minha criança! Primeiro preciso saber se você foi um bom menino.

– É claro que eu fui! Eu sou sempre um bom menino, nunca desobedeci meus pais, nunca fiz nada escondido, nunca contei mentiras…

Enquanto James tagarelava sem parar, o Papai Noel pegou um fio do seu cabelo, colocou na boca e começou a mastigar. De repente ele começa a se transformar em uma coisa medonha, começou a crescer, praticamente dobrou de tamanho. Seu gorro se solta de sua cabeça enorme. Seu cabelo e sua barba se enrolaram e formaram um par de chifres. Sua pele começou a ficar verde e enrugada. A bolinha da ponta do gorro bate no chão e James finalmente se dá conta de que aquilo na sua frente não era mais o Papai Noel. Ele grita por socorro, assustado, e saí correndo pela casa;

-SOCORRO!!!! MÃE PAI!!!! ME AJUDA!!!!!!

– Ninguém vai ajudar criança! Você foi um mau menino, por isso estou desta forma, agora você é meu!

O Papai Noel pega James e o coloca dentro do saco de presentes. O monstro amarra a boca do saco e James não é capaz de enxergar nada lá dentro. Ele se debate e esbarra em várias coisas. Escuta alguns gemidos, como se estivessem reclamando de ter batido neles. James grita:

– Me tira daqui seu monstro! Para onde está me levando? E quem pediu tantos bonecos de presente?

O menino sente que o saco foi levantado e o monstro o estava carregando. Depois de horas dentro do saco, o monstro finalmente começa a balançá-lo e jogar tudo para fora. James cai assustado, seus olhos que haviam se acostumado à escuridão ficam ofuscados com tanta luz. Ele observa ao redor e nota que todos aqueles bonecos eram na verdade crianças, e eles haviam sido jogados no chão de uma fábrica de brinquedos. No lugar já haviam mais crianças e elas estavam trabalhando.

– Ho Ho Ho! Sejam bem-vindas crianças, aqui agora é o seu lar! Nunca mais poderão ver os seus pais! Já que são más crianças, que comecem a trabalhar!

O papai Noel não era mais um demônio e mesmo assim começou a chicotear as crianças, fazendo elas trabalharem. James ficou em choque pensando que todas as histórias que ele conhecia sobre o Natal eram mentiras e que talvez esta seja a verdadeira e se arrependeu de ser uma criança má. O papai Noel grita:

– Onde está o último menino?

Todas as outras crianças apontam na direção de James. Ele então percebe que todas elas tinham a boca costurada, era por isso que não falaram nada quando ele caiu em cima delas no saco.

– Ho Ho Ho! Aí está você! Não tivemos tempo na sua casa, está na hora de terminar o meu serviço.


Gostaria de dedicar esse conto para meu namorado Thiago Fernandes pelo incentivo em criar minhas histórias e a paciência para ler e corrigir todas, obrigada meu editor. Para minha irmã que iniciou o blog comigo, Brendom Rodarte que continuo com essas ilustrações maravilhosas aceitando minhas ideias malucas de conto, ao Dimitri Vieira com seu curso incrível de ”Escrita Criativa e Storytelling” que me fez reconhecer como escritora, conheci pessoas inspiradoras com a criação da comunidade do curso e ainda me incentivou a ter meu próprio blog.

Para Eduardo Lopes e Vanessa Cioffi que não me deixaram desistir quando comecei a publicar os contos e estava com dúvidas se deveria continuar. Tenho que agradecer muito Giselli Serra e minhas amigas da faculdade Tatiane Machado e Bruna Luiza que não perdem um conto e o Erivaldo Carneiro que sempre compartilha minhas histórias. Ao carinho e aprendizado de sempre do Thiago Dalleck, Maicon Moura, Marinella Souza, Mario Mello, Esdras Pereira, Nilce Alves e Thayanne Lima, obrigada por tudo.

Não poderia deixar de agradecer você leitor por chegar até aqui comigo, agradeço muito por acompanhar meu trabalho. Vocês estão realizando meu sonho de ser uma ”contadora de histórias”.

Obrigada a todos vocês!


Ilustrador: Brendom Rodarte

Escritora: Nathália Santos

Para seguir nosso trabalho no Instagram:

@nathaliaesantos_

@brendomrodarte

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s